Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fode Fode Patife

Fode Fode Patife

A Foda dos Dentes

21.03.21

Não tinha propriamente ar de fada, mas adivinhava-se à distância o mar de foda que aquela pachacha já tinha navegado. Por norma isso não me importa, e naquela noite também não foi diferente. Penso sempre que uma pachacha ginasticada com muitos quilómetros de picha no conta-fodómetro estará mais apta a conseguir acomodar esta pequena monstruosidade que habita entre as minhas pernas e a aguentar uma portentosa tareia de pirilau com um frenético ritmo de bombada. Por isso, foi a pensar exclusivamente em ser aviado por uma glutona da chona que aceitei ir para casa da moça. O problema foi quando se armou em artista do chupanço e quando abre a boca toda, apresenta uma dentição digna de um crocodilo. Qual garganeira do oral, lançou-se ao Pacheco como se não tivesse uma picha na boca há meses. Ou então tinha apenas vício de boca, certo é que me saltou à corneta sem deixar espaço para lhe dizer que não. Que alarve sofreguidão oral. Devia ter percebido no que me estava a meter se a tivesse analisado pelos dentes como se faz aos cavalos. Toma lá que é para aprenderes, Patife. Acabou por ser uma autêntica foda dos dentes, tal a selvajaria do seu entusiasmo. Não teria grande mal se na manhã seguinte acordasse com uma prenda por baixo da almofada. Mas acordei foi com uma fenda por baixo da picha.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.