Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fode Fode Patife

Fode Fode Patife

Aguenta, aguenta!

30.03.21

Por vezes, os meus amigos acasalados - faço isto parecer como se fosse uma doença, porque efetivamente, é - ligam-me e procuram auxílio para as suas aflições mais íntimas e profundas, perguntando como é que eu aguento desde o início da pandemia sem sexo. Com isto fico a saber duas coisas: Uma - que não estão a ter sexo em casa. Duas - que não sabem o que fazer com a exposição excessiva a um deserto sexual de aridez extrema. Se fosse um daqueles amigos das frases-feitas-que-fazem-pausa-na-aflição diria certamente outra coisa. Não diria que é efetivamente muito fácil porque vivo sozinho e tenho um síndrome muito particular de hipocondria direcionada para vírus desde que vi o "12 Macacos". Que seria impossível de suportar se estivesse a viver em confinamento com o alvo do meu desejo. Aí o coração deles pára e sentem-se momentaneamente revoltados e injustiçados. Sinto um esgar de “não posso aguentar mais isto!”. Mas depois remato com um sempre pacificador: “Mas que percebo eu de relações? A minha maior relação foi com uma garrafa de Macallan Sherry Oak 25 anos”, e aí as suas expressões apaziguam-se acenando afirmativamente as suas cabecinhas de cordeiros: “Sim, pffff, que percebes tu de relações. Sabes lá tu o que é preciso para aguentar uma relação? Tu não percebes nada disto”. A forma como passei de sábio iluminador digno de ser consultado no início da conversa, para insultado como pulha que não entende a complexidade de uma relação interpessoal de índole amorosa, é estranhamente divertida. Já o uso do verbo “aguentar” uma relação é profundamente revelador. Pelo menos para mim. Depois começam todos altivos a gozar comigo por não pinar desde o início da pandemia, que eles, ainda assim, vão molhando a sopa ocasionalmente na sua digníssima senhora ou no seu honrado mais que tudo. A expressão “molhar a sopa” ajuda a não sentir muita inveja, muito provavelmente porque ainda gosto menos de sopa do que da ideia de sexo conjugal. Bem... juntam-se os dois e só se estraga uma expressão popular. É aqui que tento explicar que com uma imaginação fluída e maleável mais centrada em sexualidade do que em sexo, consigo *aguentar mais uns meses de confinamento sexual e incito-os à devassidão moral do pensamento íntimo com frases de ordem literária: “O exílio do imaginário é uma espécie de longa insónia” e coisas assim, mas sem grande sucesso.
Aqui, já é um uso correto do verbo *aguentar, pois só se aguenta uma situação que tem prazo, ainda que incerto. Certo? Mas na verdade, que percebo eu de relações? A minha maior relação foi com uma elegante e bem torneada garrafa de whisky Macallan Sherry Oak 25 anos, que ainda hoje me deixa de boca aveludada só de me lembrar dela e das épicas pinadas sob a bebedeira singular que só um whisky destes consegue proporcionar.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.