Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fode Fode Patife

Fode Fode Patife

Erros ortográficos tiram-me o tesão

14.10.10
Gosto muito de guisados. É coisa para me deixar água na boca durante horas a fio. Dental. Desculpem. Quando penso em guisados fico ainda mais parvo. Mas nos dias em que como guisado penso sempre num episódio capaz de me baixar a ponta da pichota. Há cerca de um ano calhou-me dizer a uma PIA - Peida Integralmente Arrebitada - que andava a comer, que adorava guisado. No dia seguinte apareceu-me toda contente com um guizo preso no piercing que tinha na campainha da pachacha. Para seu espanto nunca mais a consegui comer. Ainda lhe tentei explicar: Oh filha, comer-te isso assim seria um guizado e os erros ortográficos baixam-me a tola. A moça desata-me a gritar, vociferando impropérios que até me deixariam cheio de tesão caso não os imaginasse cheios de erros: Imgrato, eztúpido, inbecil, só queres é uma gaija que tu lemba, e outras coisas do género. O que me fez lembrar uma outra tipa que se via pela proeminência labial que era uma deusa mamífera pois devia mamar no palhaço como uma artista de circo. Só que antes de o fazer sussurrou: Ah, agora é que tu vais saber o que é lember... E pronto. Já não soube nada. A fonética de “lember” é coisa para me arrepiar os pêlos do rêgo. Mas voltando à pachacha com guizo: Dado o indesculpável erro saí porta fora. Gosto muito de saídas. Da casca, claro. Por isso estuguei o passo até ao Chiado para onde, está bom de ver, saem as saídas da casca. Uma morena daquelas com ar tímido encapotado chamou-me a atenção. Tinha acabado de receber o café, despejou o açúcar mas a colher havia caído ao chão. Como bom cavalheiro que se apressa a socorrer uma donzela em apuros pensei: Deixa lá a colher que é mais saboroso aqui com o meu pau-de-canela. Ainda pensei em dizer-lho em voz alta mas eu até estava num dia calmo e equilibrado por isso apenas o sussurrei ao ouvido. Fez cara feia mas não desandou. Eu continuei a falar até aos limites da sua exaustão: Ai... Dás-me um minuto de descanso? Claro que enquanto cavalheiro do esfreganço me apressei a responder: Dou. Mas depois dou-te com os meus 30 centímetros de avanço. Ela sorria enquanto abanava a cabeça: Céus. Mas tu tens paciência para ti próprio? A resposta, como sempre, estava como o Pacheco ficou a seguir - na ponta da língua: Claro que tenho muita paciência. É apanágio de quem não tem o pavio curto.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.