Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fode Fode Patife

Fode Fode Patife

Se Jean-Jacques Rousseau...

08.03.12
Devo dizer que se chamava Verónica. Era joalheira e diziam que fazia os melhores broches do mercado. Broches elegantes e vistosos, coroados com pérolas e bordados a ouro, daqueles capazes de fazer as outras mulheres roerem-se de inveja. Foi com relativa facilidade e estonteante rapidez que na minha mente se instalou a pertinente dúvida: Será que os seus fellatiozinhos são autênticas joias do abocanhamento fálico? Por certo que a Verónica gosta de meter a boca na harmónica. Só para não ficar na dúvida, no mesmo dia passei pela sua joalharia. Lá estava ela, a falar com uma velhota que ostentava um belíssimo broche. Por acaso o broche estava um pouco descaído, na verdade em perfeita sintonia com o seu rabo. Mas isso agora são coisas do rabo da velha. Voltando aos broches: Entrei decidido e quando a velhota saiu começámos a falar de broches como quem fala, enfim… de broches. Entre duas ou três referências elogiosas aos seus broches referi que para fazer um bom broche é preciso ser-se boa joalheira. Mas por outro lado também é preciso ter umas boas joelheiras. Ela, sem saber como reagir, mais parecia uma barata tonta. Mas o Pacheco deu logo conta que ela também parecia uma pachacha tonta. Por isso puxei-a para mim pela anca e apelei à sua arte brochista, correndo o risco de meter a pata na poça. Risco que nunca me importo de correr desde que ela depois meta a rata na tola. A coisa acabou bem com o meu nabo a roçar-se sofregamente nos lábios da brochista. E não me julguem por ter roçado o nabo na moça. Se o Jean-Jacques Rousseau…

16 comentários

Comentar post

Pág. 1/2